h1

Lua em Vênus

9 de setembro de 2013

Era noite e não podia ser mais nenhum outro momento.

Sentados, frente a frente, não mais lado a lado, conversávamos.

Já se tornou um hábito sentar-nos assim, uma vez

que nos desafiamos

nos cansamos

nos magoamos

e nos amamos de igual para igual.

 

Você na minha frente, apenas,

um céu sobre nossas cabeças

e nossa pretensão de nos definirmos.

 

Eu me segurava, com medo de cair

– não sei se do peitoral da varanda pro chão,

ou pra imensidão deste céu negro estrelado.

Cair só é possível quando seus braços estão em mim

segurando meu corpo e evitando que eu me quebre,

me solte de mim. Meus pedaços, tão pequenos

a ponto de serem indivisíveis.

 

Apagamos as luzes para ter mais luz.

Nossos olhos precisam estar acostumados com a escuridão

para então enxergar o brilho das estrelas.

 

O céu, limpo de nuvens, tinha sua paz cortada por um avião.

Gostamos de vê-los como estrelas.

Gostaríamos de estar nele,

para estar mais próximo delas

e mais longe daqui.

 

A Lua nos sorria,

concordando com nossos sonhos

como uma madrinha que gosta de ver

no rosto do afilhado o desejo por algo melhor,

sem a responsabilidade de lhe oferecer algo melhor.

 

Posta de lado a Realidade, sonhamos.

 

Foram segundos intermináveis onde meus olhos correram

da luz do luar,

para a luz dos teus olhos

e a chama do seu cigarro.

 

Foi um lampejo de Paz,

um milésimo de Felicidade,

um fotograma da Beleza,

e a vontade de uma vida inteira de Amor.

 

Raphael Granucci Pequeno

 

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: